RSS

O rei da cocada preta (a lenda, ‘parte 12’)

30 Mar

Na Europa, o baixinho narigudo Napo-leão Bomemparte, aquele que pretendia ser o grande chefe do mundo, a besta apocalíptica, foi derrotado por uma desconhecida organização, nominada apenas pelas siglas KGB. Porém, há quem diga, que seu cavalo branco teria empacado devido uma crise existencial.

Portugal estava às moscas. A galera que lá ficou fazendo figuração, mandou um recado direto ao rei. -“Ou tu voltas, ou tu ficas”. -“Ou tu assumes teu posto, ou será deposto”.

E assim em 1821, sem alternativa, com os olhos marejados, o coração em frangalhos, nas mãos duas coxinhas de galinha, o rei retorna à sua origens, levando consigo nada mais nada menos do que todo o dinheiro do Banco da Cocada.

Entre acordos, promessas e arranjos,os nobres, condes, viscondes, fidalgos, e mais dezenas de títulos comprados por senhores abestados, o rei, o filho e a “corte” decidem que Pedrinho 1 ficaria como regente no lugar do pai.

E mesmo tendo ensaiado a cena por diversas vezes com o pai, o filho foi aplaudido e ovacionado por toda população, quando mais tarde, pegou o megafone e gritou a plenos pulmões a célebre frase: – “Se é para o bem de todos e felicidade geral dessa colônia… Ops, Nação, estou pronto! Digam ao povo que fico”.

Aguarde a lenda continua…

Madame Bê

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 03/30/2018 em A lenda

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: