RSS

O rei da cocada preta -parte 28

07 Maio

Vira e mexe na “pequena” panela dos políticos o tempero queima e faz desandar todo processo de cozimento

Está chegando o sobrinho do tio Deodoro.

O cara mais temido do pedaço, era apenas outro perna aberta, bronco, comedor de prendas, marquesas, baronesas e afins.

O nepotismo corria solto na mais alta corte do poder. Deodoro mexeu uma bota aqui e Nilo Peçanha mexeu outra bota ali e juntos trouxeram o vivente gaúcho Hermes da Fonseca pra presidência.

Hermes, apesar de não ser descendente da cheirosa família Hermés, carregava no bolso um frasco da melhor colônia já feita em Cocada Preta; o suor dos cocadenses.

Sem delongas, vou contar como esse presidente introduziu a faixa presidencial na vestimenta dos futuros eleitos:

Certa feita, quando colocava algumas gotas do frasco contendo o suor dos cocadenses em seu peitoral, relembrou na memória a faixa que Dom Pedro II usava e lhe trazia aquele ar de superioridade.

Desde então vemos presidentes passar e repassar uma faixa um pro outro, como se os próprios fossem misses.

Vaidades à parte, foi em seu governo que audaciosos marujos levaram a pior.

Provavelmente com os intestinos no cérebro, pois estava um marechal no poder, soldados colocaram suas mangas no varal, sendo em seguida convidados por Peçanha a se enclausurar. Muitos deles, passaram a fazer parte de “Ghost”, o outro lado da vida.

Houve ainda algumas guerrilhas, aqui e acolá, mas nada de mais para o grande cacique dono do poder, sempre zeloso pelo maltrapilho povo cocadense.

Em um mandato de apenas quatro anos, ele conseguiu o que nenhum outro presidente anterior e posterior conseguiria. Ficou viúvo e um ano depois casou com a única mulher que poderia arruina-lo moralmente.

Nos bastidores circulavam comentários como: “Hermes se casou com ela só para se livrar dela!”

Mas não pense que no governo de Hermes da Fonseca aconteceram apenas guerrilhas e conspirações.

Ele sabia, assim como seu tio, que poderia manipular as massas, entregando aos adoradores de Marx, moradias que mais pareciam cortiços.

E vejam só, um dos cortiços recebeu o seu nome e o outro, o nome da sua querida falecida esposa. E como nesse País de tapados o dinheiro nunca chega, lá foi ele, fazer uma nova renegociação da dívida externa.

Metade da bufunfa emprestada do exterior, foi parar na conta de Roger Waters, que prontamente enviou para os revoltosos Chapolins russos.

Anos mais tarde, descobriram que o chapéu de Hermes da Fonseca, fora roubado de Johnny Depp e por esse motivo, passou uma temporada no calabouço de um porão qualquer.

Desde então passou a ser conhecido, como o primeiro ex presidente coió que sentou na cadeirinha de pensar, enquanto sua dengosa rapariga buliçosa escapava pra dançar.

Aguarde a lenda continua…

Madame Bê

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 05/07/2019 em A lenda

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: