RSS

Arquivo da Categoria: amor

Sobre o amor

O amor se constrói a dois, você aprende a gostar do outro, conforme convive com ele. 
O amor é uma construção feita com vontades, persistência, aceitação e perdão. 
Nasce da admiração e se nutre da valorização recíproca, confiança, cumplicidade, afeto. O amor envolve conhecer, aprender e descobrir o outro. 

Essa historinha de que existe sua outra metade não existe. Você é uma pessoa inteira e não precisa procurar metades de si para se sentir completa. Não somos de ninguém. Estamos na vida de alguém porque queremos estar e essa pessoa está em nossa vida porque quer estar.

Palavras como “destino”, “Karma”, são desculpas de quem tem sentimentos como medo e receio de não serem amadas. 

Existem pessoas que tem visões distorcidas do que é o amor.

Amar é fazer muitas coisas sozinho, ou com amigos, com a família, com conhecidos, com colegas… e também junto da pessoa amada. Amar não é regular a vida do outro. Amar é acima de tudo confiar. 

Quando a confiança é quebrada, o amor perde sua essência, perde sua inocência. E se você quiser tentar novamente o mesmo amor, saiba que levará muito tempo pra que outra parte volte a confiar. Mas ele volta se assim você desejar.

Ninguém ama sob pressão. Quem o pressiona para ter intimidade sexual possivelmente não o ama, e acima de tudo, não respeita a sua vontade, nem o respeita enquanto mulher/homem.

Ceder a pressões sexuais, significa baixa autoestima.

Muitas vezes, a falta de coragem para conversar, expor emoções, dizer o que se quer e o que não se quer mais, o que se espera do outro e o que se está disposto a dar, faz com que se arraste o que nunca deveria ser arrastado. 

Todos estamos sujeitos à mudança. Se for um amor saudável e se for bem nutrido vai crescer e tornar-se cada vez mais forte, embora possam existir dias em que não o consigamos ver e sentir. O Amor requer transparência, verdade, sinceridade e, sobretudo, honestidade, auto-respeito e dignidade. 

O Amor e amar alguém não é, e não pode ser uma tortura, um sacrifício, um esforço. O verdadeiro amor nos faz ficar, vontade de se doar, vontade de correr de mãos dadas, vontade de cantar e de rir, vontade de abraçar e de partilhar, vontade de dançar… Ainda que existam momentos difíceis.

Existem milhões de pessoas no mundo que não têm relação nenhuma, e que se sentem amadas e felizes… Filmes, músicas, novelas, livros… confundem amor com dependência. Pedir para deixar de ser quem é, culpa, acusações, cobranças, exigências, manipulações, chantagem e ameaças, não são amor, são dependências. 

A revolta e a raiva vão reinando, e um dia você irá sentir necessidade de castigar e punir essa pessoa por lhe ter “roubado” os melhores anos da sua vida, mesmo sabendo que foi você que decidiu permanecer lá… 
Não é natural estar numa relação e não namorar, não fazer sexo, não rir e passear, não fazer projetos e sonhar a dois e/ou sentir vontade de fazer tudo isso com a outra pessoa. Se hoje fosse o último dia da sua vida, o que faria? Faça!

Não assuma a responsabilidade pelo sucesso de uma relação. O amor não precisa ser salvo, precisa que os dois o cuidem e se cuidem reciprocamente. E não fique em uma relação por medo do desconhecido. Por medo do que a sua família, filhos, amigos e conhecidos vão pensar de ti e ou como eles vão aceitar a sua decisão. A decisão é sua…

Precisamos de amor próprio e do amor dos outros. Diferentes amores encaixam-se em diferentes espaços do nosso coração, como se fossem lâmpadas pequeninas… Encontre-as, coloque-as no seu coração e veja se acendem…
Se te fazem sentir amor, voar e brilhar… é Amor!

Corra atrás…
Do livro: “Verdades, Mentiras e Porquês” 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 08/17/2017 em amor

 

A grama do vizinho sempre é mais verde?

…”As festas nos outros apartamentos são frutos de nossa imaginação, que é infectada por falsos holofotes, falsos sorrisos e falsas notícias. Os notáveis alardeiam muito suas vitórias, mas falam pouco de suas angústias, revelam pouco suas aflições, não dão bandeira das suas fraquezas, então fica parecendo que todos estão comemorando grandes paixões e fortunas, quando na verdade a festa lá fora não está tão animada assim”…Martha Medeiros

Será mesmo que a grama do vizinho é mais verde que a sua? Insatisfação, inveja, malandragem… como saber! 

Muitas vezes achamos que nossa vida não tem graça, está insossa, falta adrenalina e acabamos nos traindo ou traindo pessoas que nos são muito queridas, eu diria até indispensáveis para nossa felicidade. 

Tem aqueles que se deixam ludibriar por motivos banais como: “alma gêmea”, “sempre achei você linda (o)”. “venho cuidando você há anos” e isso basta pra cair no conto do vigário.

Seria pelo simples fato de poder contar aos “amigos” eu também tenho alguém fora do casamento? “Arrumei uma garota vinte anos mais nova”. “Ela veste uma vez uma lingerie preta e outras vermelha”. “Ela é péssima na transa, mas chupa razoavelmente bem”. “Minha performance não é lá grande coisa, mas ainda não falhei, apesar do pouco tempo que temos juntos”. 

Muitas vezes, uma das partes até precisa desembolsar alguma quantia de dinheiro pra que continue aquela situação, e não se dá conta da traspassa. Afinal pastar na grama do vizinho “que é mais verde” está sendo maravilhoso. 

Na maioria das vezes, uma das partes não tem nada a ver com a outra. Não há afinidade entre eles. Uma das partes pode ser completamente burra, vazia, mas a outra vai levando porque seu ego está muito inflado com aquela situação. 

Este é apenas um exemplo do dito ” a grama do vizinho sempre é mais verde”. E quando a situação é descoberta, o ego vai ao chão. É aí que se percebe o quanto aquela grama era apenas erva daninha. 
Uma coisa é certa, seja como for a sua grama, cuide, regue, adube, deixe-a sempre verde e bela. Porque no seu jardim outros jardineiros poderão pastar. 

Madame Bê 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 06/26/2017 em amor

 

Amor verdadeiro

B2UmzO1IEAAjD_s

Depois de tudo acertado, Eduardo Cunha desenterra velhos preconceitos, e cria uma comissão especial que poderá pôr abaixo o direito de homossexuais adotar crianças e define família apenas como a união de homem e mulher.

Quer dizer que aquela avó que cria seus netos sozinha, não é uma família? Uma mãe solteira que cria seu filho sozinha, não é considerado família? Nossos representantes são um zero à esquerda. Estamos “desevoluindo”, vamos abandonar os burros, e puxar nós mesmos as carroças.

Deveriam estar discutindo, uma maneira de facilitar a adoção para os brasileiros, providos de saúde fisica, psiquica e economica, já que está em jogo a felicidade de crianças que foram abandonadas por familias papai e mamãe.

Vejo cada vez mais, pessoas se vestir com armaduras preconceituosas. Com suas biblias em punho, enchem os pulmões pra gritar, é pecado, mas não lembram que nunca à seguiram a risca. Pecado é abandonar crianças a má sorte, sem um lar, um teto, uma cama quentinha, estudo, educação, AMOR.

Não vejo coerencia, quando enchem a boca pra dizer que é imoral a adoção por parte de dois iguais. O que falta no coaração das pessoas, é amor ao próximo.

Estamos falando de crianças, pessoal. Crianças estão estocadas em orfanatos, como se lá fosse algum tipo de depósito, longe dos olhos de brasileiros. Se você faz parte de qualquer rede social, sabe muito bem, o tanto de curtidas e apelos por animais (cachorros e gatos) abandonados. Será que é preciso deixar essas crianças nas ruas, para que o povo se sensibilize?

Um casal de mulheres podem facilmente ter filhos, ou de maneira tradicional ou até por inseminação. Porque então não estender isso a um casal de homens? Quando em um lar há amor, ali encontramos uma familia, quer você queira ou não.

Chega de tanta imbecilidade. Homosexuais tem os mesmos direitos de qualquer outro cidadão. O que faz um país livre e democrático, é saber lidar com as diferenças. Deixemos que cada um decida sobre o que é melhor pra si e sua família, e em contrapartida vamos nos preocupar com o bem comum.

Eduardo Cunha, se te faz feliz criar o dia hetero, crie e seja feliz.

Madame Bê

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 04/28/2015 em amor

 

Amor sem preconceito


Essa semana a igreja católica, “deu o primeiro passo” para aceitação de homoxesuais. Como se a igreja pudesse interferir no amor de duas pessoas.

Namora quem quer, casa quem quer, dane-se quem não gosta.

Ninguém tem o direito de meter o bedelho onde não é chamado. Somos pessoas livres, para praticar sexo com quem desejarmos e amamos. Que se exploda aquele indivíduo que pensa com o umbigo.

Quando a humanidade lidar com naturalidade, sem alardes, a aceitação se dará naturalmente.

Devemos exaltar o amor, e unidos enfrentar os verdadeiros problemas do mundo em que vivemos.

Madame Bê

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 10/20/2014 em amor

 

Amigos


Existem palavras que não são faladas apenas sentidas, e ficam assim por longos anos. Apenas dormem. Passa um dia, passa uma noite, e quando você vê, passaram-se anos. Mas elas continuam lá… Apenas quietas!

Amizade é isso. Mesmo que você não diga as palavras, o sentimento existe. A sensação de sentir que alguém está lá por você, pra você, nos dá a certeza de jamais perder.

Somos tão desiguais e iguais ao mesmo tempo, e mesmo assim… Amigos. Sem dizer uma única palavra… Sentimos.

Quando você entrou no meu coração, ficou lá pra sempre, pois nele não há e nunca haverá porta de saída.

Imagine-se num abraço longo e apertado. Hoje, amanhã, sempre…

Madame Bê

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 07/20/2013 em amor

 

Etiquetas:

Se eu fosse homem

images (1)
Se eu fosse homem, não acharia que futebol é a coisa mais importante do mundo. Não gastaria tanto do meu tempo com meus amigos enchendo a cara de cerveja nos finais de semana. Se eu fosse homem não beberia umas e outras antes de pegar aquela gata sarada e popozuda. Se eu fosse homem não me preocuparia com o tamanho do meu pinto. Se eu fosse homem não daria tanta importância a marca do meu carro, e nem com a marca do carro do meu amigo. Se eu fosse homem o dinheiro não seria meu passaporte para felicidade. Se eu fosse homem não me casaria por conveniência, e sim por amor.

Se eu fosse homem, procuraria prestar atenção na mulher ao meu lado. E se fosse ela a escolhida, procuraria saber a flor que ela gosta; a beijaria com tesão pelo menos uma vez ao dia, a ouviria com atenção, agiria mais por impulso que pela razão, a surpreenderia sem esperar nada em troca. E se tudo isso me chateasse de alguma forma, diria a ela, que já não a amo mais e seguiria sozinho até encontrar um novo amor.

Madame Bê

 
2 Comentários

Publicado por em 06/16/2013 em amor, mulher, paixão

 

Etiquetas:

Casais


Hoje vou bater um lero sobre meu xodó. Às vezes tenho vontade de arrancar meus cabelos, com a falta de jogo de cintura que tenho. Mas sei que não adianta chorar o leite derramado depois que o bicho pega. E entender que o tiro saiu pela culatra… é uma virtude.

O importante nessas horas é não dar bandeira, colocar a barba de molho, não dar chilique e jamais ficar borocochô. Pois esse cabra da peste, não merece. Melhor não cutucar a onça com vara curta, afinal ele pode estar com a macaca e acabar cuspindo fogo.

Madame Bê

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 02/15/2013 em amor

 
 
%d bloggers like this: