RSS

Técnica, arte e ofício

Muito se fala sobre o desaparecimento das abelhas. Segundo alguns estudos os pesticidas são os culpados pela grande mortalidade das abelhas, como também de todo ecossistema.

Por outro lado, sem os pesticidas, podemos ter uma baixa na produção de alimentos. Sem seu uso nas plantações, se perderia 80% da colheita para insetos, ervas daninhas e doenças. Consequentemente mais da metade das pessoas do mundo morreriam de fome.

E pensando nisso, um grupo de cientistas de Harvard já está trabalhando em uma abelha robô que ajudará na polinização e evitará um colapso mundial do ecossistema.

Batizados de ‘RoboBe’, essas maquininhas medem cerca da metade do tamanho de um clipe de papel, pesam menos que um décimo de grama e voam usando “músculos artificiais”. Eles tem sensores “inteligentes” e controles eletrônicos que imitam os olhos e as antenas de uma abelha, e podem sentir e responder dinamicamente ao ambiente. Suas asas, batem separadamente, permitindo que o vôo seja manobrado. Além disso, o robô intercala voos curtos com pousos para descansar, exatamente como as abelhas fazem na natureza. 

Os protótipos ainda são amarrados por um cabo de força muito fino porque não existem soluções prontas para o armazenamento de energia. Células e combustível de alta densidade energética devem ser desenvolvidas para que os RoboBees possam voar com independência.

É claro que ninguém quer ver a extinção das abelhas, e espero que pesquisas sobre novos pesticidas, não prejudiciais aos seres vivos possam ser desenvolvidas.

Para aqueles que alardeiam o fim do mundo, sinto informar, ele não acontecerá pela falta de abelhas.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 03/24/2019 em Brasil

 

A retórica é falsa

Não vai ser na USP que alguém vai aprender o que é ser um fascista.

A palavra “fascismo” deriva da palavra “fascio” e tem origem na Roma antiga. Foi um instrumento manuseado pelos oficiais romanos, ou seja, era um machado revestido por um feixe de varas de madeira amarradas ao longo do seu cabo.

No século XX, Mussolini se apossou do desenho de um “fascio” como símbolo do seu novo partido.

Entre 1914-1918 Mussolini, era um militante socialista, participava de reuniões bolcheviques e escrevia artigos para a imprensa sindicalista revolucionária e socialista.

Em 1915, Lênin se posicionou contra a guerra e Mussolini defendeu a guerra, como meio de promover a revolução socialista.

Em 1918, Mussolini já se dizia um anti-marxista. Publicou em 1919 no jornal ‘Popolo d’Italia’:

“Declaramos guerra ao socialismo não por ser socialista, mas por ter-se oposto à nação”.

Em 1919, os italianos Alceste de Ambris e Filippo Marinetti publicaram o Manifesto Fascista que propunha um conjunto de medidas para resolver a crise da época, entre elas:

-Exigiam o confisco da propriedade de todas as instituições religiosas, bem como a estatização da indústria de armas.

-Centralização do crédito nas mãos do Estado,

-Centralização de todos os meios de comunicação e transporte.

-Expropriação de terras para propósitos de caridade.

Em 1922 começa o fascismo e foi um governo totalitário que privilegiou conceitos de nação e raça sobre os valores individuais.

Em resumo, o fascismo foi um sistema de governo que operou em conluio com as grandes empresas, planejava a economia subsidiando grandes empresários, exaltava o poder estatal, negava direitos e liberdades fundamentais aos indivíduos e tornava o poder executivo, o “senhor” irrestrito da sociedade. O fascismo impôs um estado tão grande, pesado e violento sobre o livre mercado, que o capital e a produtividade da economia foram completamente exauridas.

Hoje o termo fascista é pejorativo; um adjetivo frequentemente utilizado para descrever qualquer posição política da qual o orador não goste e baseados nessa maluquisse, eles propagam sandices e realizam “cursos” medonhos, já que no poder não estão mais.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 03/24/2019 em Brasil

 

Made In Brazil

Em uma cidade sem água encanada e sem emprego, a Odebrecht, com aval do presidiário, construiu um aeroporto fantasma em Moçambique no valor de 125 milhões de dólares.

A Odebrecht revelou que realizou “pagamentos corruptos” no valor de 900 mil dólares para autoridades moçambicanas, entre 2011 e 2014, período da construção do aeroporto.

Desde o início das negociações do empréstimo, estava claro que Moçambique não poderia pagar. O empréstimo só foi possível porque Lula perdoou dívidas anteriores daquele País no valor de 315 milhões de dólares. O maior perdão de dívida já concedido pelo Brasil.

“Eles não iam pagar a dívida anterior, porque não tinham dinheiro”, disse Lula, em entrevista em dezembro de 2013.

É Sr Lula, não iriam pagar aquela dúvida, como também não estão pagando essa. O BNDES informou que Moçambique não vem pagando a nova dívida.

Além do aeroporto, o Brasil também “vendeu” cinco aviões da Embraer. A compra de parte deles está sendo investigada.

Assim como aqui, a corrupção por lá já maltratava aquele povo miserável. Agora pra completar a natureza vem e faz mais esse estrago.

Moçambique assim como o Brasil é um dos Países mais corruptos do mundo. E fico triste em saber que, de alguma forma, ajudamos o governante de lá, como o daqui, a encher os bolsos, enquanto o povo se ferra.

Sim amiguinhos, “Lula era o cara”!

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 03/21/2019 em Brasil

 

Mulher

No dia 28 de fevereiro de 1909, EUA selebrava pela primeira vez o dia da mulher. Nos anos seguintes, nos países europeus, a socialista Clara Zetkin propôs a celebração anual pelos direitos das mulheres.

Na Rússia, no dia 23 de fevereiro de 1917, (8 de março no calendário gregoriano), a internacional socialista, instituíu o dia da mulher.

E a partir de 1975, a ONU oficializou o dia 8 de março como o Dia Internacional da Mulher.

Mas tem aqueles que insistem em dizer que a data teria se originado devido a um incêndio ocorrido em uma fábrica têxtil em Nova York.

A tragédia citada, concorreu no dia 25 de março de 1911, quando a fábrica Triangle Waist Company, que ocupava o oitavo, nono e décimo andar do edifício Asc, em Nova York, pegou fogo, matando 123 mulheres e 23 homens.

Na empresa trabalhavam mais de 500 pessoas e a grande maioria eram mulheres.

As saídas eram por elevadores e escadas externas. Uma das saídas pelas escadas, era trancada para evitar que os trabalhadores cometessem furtos. A outra saída ninguém conseguia descer por causa do fogo. Os elevadores fizeram três viagens até suas portas entortarem pelo calor e ficarem inoperáveis. Quem subiu se salvou, inclusive os donos e seus filhos, que visitavam a fábrica.

O laudo concluiu que o descarte de uma bituca de cigarro na lixeira e as péssimas instalações do prédio, foram a causa do incêndio.

Mais uma vez, e segundo a UOL e outras matérias pesquisadas, o incêndio da Triangle Waist não deu origem ao Dia Internacional da Mulher. E sobre um suposto incêndio que teria acontecido em 8 de março de 1857, não há qualquer prova nem notícia, sendo que o dia 8 daquele ano caiu em um domingo.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 03/11/2019 em Brasil

 

Haiti

Porque EUA não manda ajuda humanitária para o Haiti? Há, porque não há petróleo!, dizem os haitianos e os esquerdistas.

Há muitos anos o Haiti trava uma guerra contra a fome, os cofres públicos fornecem o mínimo de condições para sobrevivência do povo. Eles não tem saúde pública, educação pública, segurança, moradia, nada!

A corrupção no País é generalizada e sempre foi assim, até hoje todos os políticos, só fizeram os haitianos cada mais miseráveis.

A empresa Agritrans SA, do atual presidente Jovenel Moise, foi destinada a produzir e exportar bananas orgânicas, “recebeu” dinheiro do governo do Haiti para alavancar a economia, mas desde 2016 não exporta nada. Os mil hectares para o plantio de bananas, foi confiscado do povo. (A expropriação é legal sob a Constituição do Haiti de 1987).

Em 2010, logo após o terremoto, ficou definido que o Haiti receberia cerca de 13,4 bilhões de dólares de países como EUA, Brasil, união europeia… para sua reconstrução, mas pelo que percebemos todo esse montante de nada adiantou.

Mais de 1.000 ONGs operam no país e de cada 100 dólares que elas gerem, apenas 2 dólares são rastreados e sua aplicação é conhecida.

A ajuda humanitária, apesar de parecer amável, criou entre os haitianos uma dependência absurda.

Chávez da Venezuela, no seu auge, através do programa petróleo barato, também influenciou para criar ainda mais corrupção dentro do Haiti. Afinal ele sempre desejou toda América Latina comunista.

Agora em 2019, um grupo de pessoas se manifestou contra a aliança com os EUA, esse grupo de revoltosos, pediu ajuda a Moscou, Caracas e Pequim para resolver a crise no país. Que tenham êxito, Assim o governo dos EUA anunciou a retirada de todos os seus funcionários.

Mas para os vermelhos de plantão, para aqueles que querem tudo grátis, a ajuda humanitária para venezuelanos não é necessária, mas sim, depois de quase nove anos, o Haiti ainda precisa de ajuda. Afinal lá não tem petróleo, apenas famintos.

Que fique nos anais da história: Ajuda humanitária sempre deve ser bem vinda, mas ela não pode se tornar “eterna”.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 03/11/2019 em Brasil

 

Cuba: Um enorme corredor de morte abarrotado de cubanos e dor.

Quero falar do meu ativismo contrarrevolucionário, da minha “respiração” anticastrista, da minha anti-ideologia sanguinária e da minha “selvageria” cem por cento “nacional”, em 2018.

Todo esse tempo que nós cubanos concordamos em viver sob o regime de Castro, nós nascemos, nós sobrevivemos e morremos condenados a uma das mais terríveis, mais sinistras e mais insuportáveis mortes que um ser humano pode sofrer em qualquer lugar deste planeta, isto é, a morte na vida.

Porque, de uma maneira ou de outra, nós cubanos, em grande número, para nos salvar da morte física, burlamos a maldade da vida, ridicularizando abertamente os nossos próprios infortúnios e jogamos com as palavras e uma tranquilidade surpreendente, mesmo o que é dito com tensão e desprezo.

É por isso que digo que a morte em Cuba, é mais que física, é espiritual, é da consciência, do intelecto, de não viver a vida ao máximo, de não poder desenvolver a capacidade de empreendedorismo e, acima de tudo, ter que perdurar e coexistir com a podridão, o abandono, o churre, a violência, o canibalismo ideológico, a revolução fracionada, o socialismo de esgoto, a traição, a corrupção, o oportunismo, a desonra, a falta de vergonha, a inveja e todos golpes que eu puder aqui colocar.

É que em Cuba, “a humanidade” morre de mesmisse e demasiadas vezes, nem os especialistas saberiam determinar se foi de diabetes, de doença venérea, um espírito inconformado por usar sapatos apertados ou stress por viver em um País caricato onde até a merda é política.

Digo também que, morrer em Cuba é uma verdadeira tragédia, é uma realidade intimamente ligada a todos os males que exalam dessa ditadura fatal. Se formos honestos, desde o nascimento nessa “amada ilhota”, estaremos condenados a viver as profundas e sucessivas crises geradas devido a ditadura e sua incompetência administrativa, pela sua repressão sem limites e a tudo que significa um pouco de progresso para o povo, pela politização excessiva de todos os eventos humanos, religiosos, culturais, econômicos e sociais, pela humilhação sustentada por um povo com constituições, decretos, leis, artigos e normas que sufocam a decência e pela degeneração mental que te nocauteia diariamente por um pedaço de pão para nossos estômagos como se tocassem a nona sinfonia de Beethoven, com a Oda a la tristeza cantada pelos “Guaracheros de Regla”.

Agora, depois desse monte de anos, eu começo a refletir e olhar para a minha vida vivida em Cuba e eu me dou conta de que o cubano tem de “rebolar” muito para o vendaval castrista não levá-lo para baixo, pois por mais que você tente avançar só vai para trás e para trás, porque não há nenhum mecanismo, escolha, ou solução que irá permitir você de progredir sem cair em “atividades econômicas ilegais” que em qualquer outro país são a coisa mais normal do mundo.

Mas, “isso, a esse freio “natural” da vida que se vive em Cuba, é preciso acrescentar que desde que éramos pequenos todas as carências, os desejos reprimidos, as vicissitudes, os racionamentos, a separação de adolescentes dos pais, a gana em querer “voar”, a violência política, a repressão física e espiritual, os dotrinamentos, as filas, as delações, a ideologia, a moral, a corrupção, a angustia, o oportunismo, o líder, o outro líder, o partido, é uma prisão para qualquer ser humano.

É triste. Um país que poderia ter sido o melhor dos melhores, um verdadeiro paraíso “de terno e gravata”.

Castro converteu-o, desde 1º de janeiro de 1959, em um enorme corredor de morte onde o cubano vaga como uma alma em dor e sem outra opção senão ansiar desesperadamente por um exílio para o qual, no último segundo, possa salvar-se …

Eu repito: é muito triste.

Cubano Ricardo Santiago.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 01/25/2019 em Brasil

 

Repassando

Eu não podia deixar que 2018 acabasse sem fazer alguns agradecimentos.

Eu até pensei em agradecer à toda a esquerda, mas seria genérico demais. Então, como diria Jack, vamos por partes. (piadinha horrível. Eu sei).

•Muito obrigado à Maria do Rosário. O seu chilique vitimista, quando se intrometeu -absolutamente descontrolada- naquela entrevista, fez com que o Brasil conhecesse quem era aquele parlamentar que combatia fortemente sua ideologia nefasta, mas vocês o silenciavam.

•Muito obrigado ao Jean Wyllys. Suas declarações intolerantes, mostrando que se recusaria a qualquer tipo de diálogo, nos mostrou quem são os verdadeiros fascistas. Não podemos nos esquecer, também, da sua luta aguerrida pela ideologia de gênero nas escolas e pela sexualização das nossas crianças.

•Muito obrigado à Dilma Rousseff. Seu governo desastroso, próprio de quem não consegue -sequer- concatenar uma frase, revelou quais são as verdadeiras consequências da esquerda.

•Muito obrigado ao Lula. A exposição da corrupção deslavada, que você comandou, fez com que os brasileiros percebessem o quão idiotas foram, acreditando na sua demagogia de “homem do povo”.

•Muito obrigado ao Fernando Henrique Cardoso, que levantou da sua sepultura política para tentar defender, de forma ridícula, o projeto ideológico criminoso que planejou nos anos 90.

•Muito obrigado ao Haddad, que muito antes das eleições já tinha sido o Ministro do Kit Gay e tentou erotizar nossos filhos dentro das salas de aula.

•Muito obrigado ao Ciro Gomes que esqueceu o Rivotril e nos mostrou um pouco da “Cirocracia”, ao esmurrar um repórter que lhe fez uma pergunta incômoda.

•Muito obrigado ao Senador Paulo Paim, que enviou uma “nota de censura” à um comediante, em papel timbrado do Senado “Federel”, expondo o total repúdio que têm à liberdade de expressão.

•Muito obrigado ao Grupo Globo e Folha de São Paulo. As constantes tentativas, patéticas, de desmerecerem o caráter do presidente eleito (Vocês chegaram a publicar que ele chamava uma coleguinha de gorda, aos 6 anos de idade. Pelo amor de Deus) só mostraram para o povo que, em quase 30 anos de vida pública, não tinham NADA para acusa-lo. Um obrigado mais especial à Miriam Leitão, por ter psicografado um editorial e negado o próprio Roberto Marinho, ao vivo. Aquela cena foi impagável.

•Muito obrigado à Daniela Mercury, Claudia Leitte, Anitta e toda a galerinha do “Ele Não”. Vocês expuseram a farsa da Lei Rouanet, que usa dinheiro DO POVO para comprar o apoio de artistas milionários.

•Muito obrigado ao Duvivier, Felipe Neto, Marcelo D2 e outras aberrações do universo das sub-celebridades, que resolveram se reinventar como cientistas políticos, com toda a credibilidade de quem posta fotos no Instagram abraçado com pés de maconha.

•Muito obrigado aos alunos das Federais. A participação de vocês, com seus seminários, palestras e saraus, nos mostrou a decadência do ensino da “Pátria Educadora”, que transformou as universidades em fábricas de alienados.

•Muito obrigado aos coletivos sociais. Sem a militância de vocês, jamais teríamos uma clareza tão absoluta sobre a “reengenharia social” que tentavam nos impor.

•Muito obrigado à Fernanda Montenegro, ao José de Abreu, ao Chico Buarque, ao Caetano Veloso. Vocês nos lembraram que nem sempre os cabelos brancos trazem sabedoria, que precisamos de renovação. Afinal, como disse Rui Barbosa, “Os canalhas também envelhecem”.

•Muito obrigado ao Cid Gomes e ao Mano Brown. O discurso de vocês não adiantou de nada, mas nos rendeu boas risadas. Ver a cara de tacho dos petistas, tendo que ouvir algumas verdades, dentro de seus próprios comícios, foi sensacional.

Enfim, muito obrigado a cada político/militante esquerdista, que passou as últimas décadas lutando por essa ideologia genocida que, enfim, passou dos limites. Se não tivessem abusado, agido como donos da sociedade, tentado impor o “politicamente correto” à qualquer custo, provavelmente nós não teríamos um presidente de direita.

Bolsonaro é a consequência dos seus desmandos e sandices. É a resposta de um povo abusado, roubado, esgotado.

Então, muito obrigado!

Se não houvessem insetos, não haveria o inseticida. 🇧🇷

Massimo F Reis Junior – 27/12/2018

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 12/31/2018 em Brasil

 
 
%d bloggers like this: